12/11/16

Impressões categóricas - versão curta


«O Homem Orquestra», de Georges Méliès, 1900

Muitas pessoas lidam hoje com um volume de correspondência e comunicação pessoal que ultrapassou os limites da capacidade individual. A consequência é, muito possivelmente, um desarranjo das funções mentais superiores, sobre o qual tentarei lançar aqui algumas pistas.

09/11/16

Impressões categóricas


«O Homem Orquestra», de Georges Méliès, 1900

Muitas pessoas lidam hoje com um volume de correspondência e comunicação pessoal que ultrapassou os limites da capacidade individual de gestão. A consequência deste excesso é, muito possivelmente, um desarranjo das funções mentais superiores, sobre o qual tentarei lançar aqui algumas pistas.

16/09/16

O grau zero da cultura política


Comentando no jornal Público a entrevista dada pelo juiz Carlos Alexandre, que tem a seu cargo uns quantos processos de corrupção e abuso de poder, Francisco Louçã conseguiu o feito notável de produzir um dos discursos mais horríveis que tenho lido nos últimos tempos, colocando-se ao mesmo nível do de Juncker no discurso anual que este fez sobre o estado da União Europeia. Custa-me muito dizer isto, atendendo à consideração que tenho pelo papel desempenhado por Francisco Louçã na cena política portuguesa ao longo de muitas décadas (e independentemente de ter estado ou não de acordo com as suas propostas), mas contra factos não há argumentos. E os factos são estes:
 
«Um juiz não deve dar entrevistas», afirma Louçã, pois «está a intervir politicamente»; e mais adiante: «Ao contrário do juiz, outras figuras públicas devem dar entrevistas, se o seu espaço natural é o da política». Fica portanto expresso com clareza cristalina que F. Louçã considera o «espaço natural» da justiça no Estado burguês absolutamente alheio à política; remete-a para um espaço imaculado, à margem da sociedade; eleva-a à categoria de anjo inimputável, mudo, cego e surdo a tudo quanto se passa na vida política, ou seja, nos conflitos de interesses que atravessam a sociedade. Mas então, se um juiz nada tem a ver com os conflitos de interesses que atravessam a sociedade, que raio anda ele a fazer por cá? Para que serve a justiça ao certo, se não serve para resolver conflitos de interesse? Qualquer jovem marxista bem formado com 50 anos menos que Louçã já sabe a resposta a esta pergunta e é para ele que aconselho Francisco Louçã a dirigir as suas dúvidas e interrogações.
 
No momento em que alguns meios na nossa sociedade começam a admitir (finalmente!) a necessidade imperiosa de políticos, académicos, comentadores – enfim, qualquer pessoa detentora de um mínimo de autoridade pública –, fazer uma declaração de interesses antes de exercer a sua autoridade, Francisco Louçã vem dizer-nos: não, esperem, calma aí, segurem lá os cavalos, porque nada disso se aplica à justiça!

23/07/16

Tratado do bronco


Uma das coisas mais perigosas em que podemos tropeçar é uma pessoa bronca que tenha a possibilidade de exercer alguma influência na nossa vida. As desgraças daí resultantes serão tanto maiores quanto mais enérgica for a bronquice.
 
É fácil confundir uma pessoa bronca e cheia de energia com alguém medianamente inteligente e fiável. Por defeito de cultura (pelo menos a ocidental), a iniciativa esfuziante ou frenética pode semelhar a inteligência. Um – ou uma, em bom português o género é indistinto na falta de marcador1 –, um bronco mole, sem iniciativa, corresponde com facilidade ao estereótipo da bronquice, pondo-nos logo alerta. Mas o chavasco ágil, dinâmico, por vezes ambicioso, voluntarista, finta com facilidade as primeiras impressões de quem esteja menos atento. E de repente é tarde – deixámos a bronquice entrar na nossa vida, no nosso ambiente de trabalho, na nossa intimidade, e ela revela-se uma lapa, não há forma de nos livrarmos.

21/07/16

Pinochetada à porta de casa



Erdoan (na versão inglesada: Erdogan) começou por ser futebolista. Daí passou a presidente da câmara de Istambul, depois a presidente do partido AKP, depois a primeiro-ministro e por fim tornou-se presidente da Turquia. Pacientemente, amarinhou de jogador de 2ª divisão a árbitro supremo.
 
Poucas horas depois do início do golpe militar, já Erdoan tinha mostrado o cartão vermelho a 3000 turcos aprisionados ou destituídos. Averbemos-lhe um ponto – tanta presteza exige muito trabalho de casa.
 
72 horas depois do golpe, o número de prisioneiros e de gente destituída – funcionários públicos, professores, juízes, estudantes, jornalistas, líderes religiosos, etc. – já ascendia a 60.000. Quanto à comunicação social, foram 24 as licenças revogadas [Esquerda.net].
Eis o aspecto dos prisioneiros:

18/06/16

Hoje aprendi uma palavra nova


Manual da entrista (de Codex Seraphinianus, Luigi Serafini, 1976-78, ed. 1981)

Hoje fui apanhado de surpresa por uma palavra que desconhecia: «enterismo». Numa fracção de segundo, que é o tempo que temos num diálogo dos tempos que correm – onde o intervalo e a pausa são proscritos e todas as decisões têm de ser calculadas e tomadas em milésimos de segundo –, pensei comigo que seria o oposto de «disenterismo» – ou seja, uma prisão de ventre patológica e extrema.

Como não sou completamente parvo e o contexto da conversa era político, pus-me a pensar que «enterismo», ainda que fosse um termo técnico da medicina, neste caso seria metáfora: alguém, ou alguma organização política, armazenava de forma continuada uma quantidade crescente de excremento, até explodir. A não ser que lhe fosse administrado um supositório contra o «enterismo».

29/05/16

O conflito portuário: vale a pena lutar!


«Instalações protegidas» – polícia no porto de Lisboa, 24/maio/2016
[foto de Enric Vives-Rubio]
Embora seja arriscado opinar sobre o desfecho do actual capítulo no conflito entre os estivadores e as empresas portuárias, antes conhecermos o balanço final feito pelos próprios trabalhadores, atrevo-me a dizer que foram alcançadas algumas vitórias, ainda que parciais ou limitadas, e que podemos desde já tirar uma conclusão: vale a pena lutar!

20/05/16

Uma demonstração científica feita em cima do cadáver de Manoel de Oliveira


A EDP criou um concurso para atribuição duma bolsa no valor de 50.000 euros para estudantes de cinema ou artes audiovisuais que apresentem um projecto de filme sujeito ao seguinte critério único (art. 9º do regulamento): «Os critérios de seleção de candidaturas a considerar pelo júri serão inspirados no trabalho do mestre Manoel de Oliveira, um dos grandes precursores do neorrealismo, pelo que serão mais ponderados os filmes ou documentários que prossigam o estilo neorrealista, designadamente que utilizem cenários reais e atores não profissionais.» É uma daquelas tiradas que nos obriga a ler o parágrafo 3 vezes seguidas, para termos a certeza de que lemos bem. Eis Manoel de Oliveira promovido a neorrealista!

Este regulamento arrasa a maior parte do meu universo cultural: todos os filmes supostamente neorrealistas que vi, boa parte deles feitos com actores profissionais e cenários preparados (em estúdio ou a partir de sítios reais) afinal não eram neorrealistas, eram... sei lá, desisto de me deitar a adivinhar. Afinal o realizador Manoel de Oliveira, que eu tinha por inclassificável, era um neorrealista? Uau! Aí está uma chinesice inesperada.

Não vou entrar na discussão de catálogos, estéticas e métodos criativos cinematográficos, matéria em que sou bastante ignorante (mas nitidamente não tanto como a administração da EDP), porque não quero fazer má figura. Quem sabe dessa poda que aí meta seu podão. Mas sugiro que os responsáveis da EDP pelo espantoso regulamento da bolsa sejam sujeitos 3 vezes ao dia, antes das refeições principais, a choques eléctricos, até ficarem definitivamente curados e deixarem de dizer bestialidades sobre assuntos que não dominam. Como já estamos muito escaldados nestes últimos 5 anos, e antes que a população portuguesa se veja obrigada a suportar mais despesas por conta de chulos, sugiro também que seja a própria administração da EDP a pagar a conta dos choques eléctricos.

A criação da «Bolsa EDP Manoel de Oliveira» foi noticiada no Público, onde um leitor se deu ao trabalho de manifestar a sua indignação, dizendo que tem vergonha dos artistas que aceitam dinheiro da EDP, dos bancos, do Estado, etc. Esta é uma daquelas cretinices que já por várias vezes tentei zurzir aqui, mas ela resiste. Seguindo a opinião deste leitor, teríamos de deitar para o lixo a quase totalidade da obra artística universal, pelo menos desde o Renascimento, a começar por J. S. Bach e a acabar em M. de Oliveira. De facto muitos desses autores (não seria o caso de M. de Oliveira, mas adiante) só tiveram dinheiro para comprar pão - e portanto para se manterem vivos e produzirem as suas obras - graças ao dinheiro de mecenas, sejam eles o Estado ou os banqueiros ou os negreiros ou os latifundiários ou os herdeiros de piratas saqueadores das populações costeiras ou qualquer outro ladrão protegido pela lei, pelo Estado e pelo sagrado princípio da propriedade privada (tenha ela que origem tiver), que se encontre cheio de massa e que resolva usar um artista como meio de ostentação.

Recapitulando: o referido leitor indignado do Público tem vergonha desse artista.

Eu, pelo contrário, tenho vergonha dos precários que enganam velhinhas nos call center ou aos balcões de atendimento das companhias de telecomunicações, dos funcionários bancários que enganam reformados e lhes sugam o pecúlio acumulado ao longo de 40 anos de trabalho para o investirem em aplicações financeiras tóxicas, dos responsáveis por departamentos académicos que roubam o trabalho dos seus colegas e sobem na hierarquia às suas cavalitas, dos banqueiros e empresários que fazem fortuna à custa dos impostos alheios, da dívida pública, dos recursos colectivos e da venda de armas, branqueando os seus capitais sujos por meio de falsas lojas, falsas empresas e falsa generosidade mecénica, etc. O indignado leitor do Público pega nesta questão pela ponta oposta: tem vergonha do reformado que foi enganado, do contribuinte que foi espoliado, do artista que foi alimentado, ...

Já há umas décadas um professor universitário italiano cujo nome não me ocorre agora publicou a demonstração de que a estupidez é, à semelhança da velocidade da luz, uma constante do universo: encontra-se uniformemente distribuída e a sua percentagem no total da população é constante, quaisquer que sejam os valores das restantes variáveis; não olha a raças, credos, géneros, graus académicos, nada. A administração da EDP, certamente pessoas excepcionais atendendo ao cargo em que foram investidos, e o referido leitor do Público, certamente um homem comum, tiveram a gentileza de vir confirmar a lei da constância universal da estupidez - e ainda bem, porque é de boa regra científica duvidar de tempos a tempos das conclusões adquiridas e voltar a verificá-las.

-----
gravura usada: quadro a óleo de Andy Thomas, onde cada pirata representa uma figura notável da história da música norte-americana